Artigo

Férias: Como cuidar de filhos que não são meus?

Férias: Como cuidar de filhos que não são meus?

03 de janeiro de 2019

Férias: Como cuidar de filhos que não são meus?

É comum que as crianças da família tenham primos ou amiguinhos de idades bem parecidas, e, na época das férias escolares, elas se juntam para passarem um tempo brincando ou até viajando.

Mas não é sempre que todas as mães estão presentes, e é às vezes a turma toda fica sob a responsabilidade e os cuidados de um único adulto. E é aí que entram várias dúvidas, e a maior delas é posso cuidar dos meus sobrinhos da mesma forma que cuido do meu filho?

O ato de cuidar, nesses casos, envolve muito mais do que vigiar, alimentar e manter a higiene das crianças. Então, até que ponto pode-se repreendê-las, caso aprontem?

Toda criança precisa de limites e deve entender que em qualquer lugar existem regras para se manter a ordem e a boa convivência. Dessa forma, é preciso que ela saiba de antemão que, assim como há regras na escola e em sua própria casa, também há regras nas casas de amigos e parentes, e que essas regras, que podem envolver hábitos e horários específicos, mesmo que diferentes das que ela está acostumada, precisam ser respeitadas. Caso contrário, esses encontros reunindo toda a turminha não acontecerão novamente, a fim de evitar maiores transtornos para todas as partes.

Assim, quando o responsável perceber que a criança fez algo de errado, o certo é manter a calma e conversar para que a criança tenha a oportunidade de reconhecer o erro e não fazer outra vez. E por se tratar do filho dos outros, é importante estabelecer um limite com seus pais, para que a criança não se sinta constrangida caso seja necessário chamar sua atenção.

Brigas entre primos podem acontecer, mas o adulto não deve tomar partido do seu filho imediatamente. Ele tem que ser justo, ouvir as duas partes, perguntar para outras pessoas que viram o acontecido e só depois disso tomar uma atitude. O castigo não deve ser um recurso a ser tomado pelo responsável, mas em casos mais graves, ele só deve ser aplicado com consentimento dos pais.

VOLTAR