Artigo

Desigualdade na educação de filhos e filhas

Desigualdade na educação de filhos e filhas

18 de setembro de 2017

A desigualdade de gênero no Brasil surge ainda na infância. Sabemos que o primeiro passo para a mudança já foi tomado, com o surgimento de movimentos em prol da igualdade de gêneros e maior discussão sobre o tema na mídia e nas casas das famílias. Entretanto, muito ainda deve ser feito. Enquanto o filho é preparado para trabalhar fora e encontrar a casa organizada ao chegar, a mulher ainda é vista como a principal responsável pelas tarefas domésticas e por cuidar das crianças.

A educação de casa reforça a visão de que é da mulher o papel de cuidadora. Assim são os presentes que recebe: casinha, panelas, bonecas – enquanto os meninos ganham bolas, carrinho, robôs, peças de montar e etc.

Essa criação influencia toda a vida adulta. A mulher acaba vendo como natural o fato de ter dupla jornada: trabalha fora de dia, e à noite ainda acompanhar as tarefas escolares dos filhos, dar atenção ao marido e cuidar da administração da casa. Chega a sentir-se culpada quando não consegue dar conta de tudo. E recebe cobranças de todo lado.

É preciso começar a ensinar as crianças sobre o quão importante é crescer em uma sociedade igualitária, onde todas as pessoas têm direitos iguais, independentemente de sua raça ou seu gênero.

É necessário que as famílias se deem conta de que uma criação com mais igualdade é positiva e traz benefícios para a vida. Ao assumir tarefas domésticas, por exemplo, a criança desenvolve uma série de habilidades importantes, como organização, gestão de recursos, trabalho cooperativo e autonomia, e isso independente do sexo. Homens e mulheres devem dividir responsabilidades e compromissos, sem que haja distinção ou desconfiança do que são capazes.

Se seu filho gosta de rosa ou sua filha de azul, isso deveria ser visto como uma situação normal e que nada tem a ver com orientação sexual, afinal, somos nós que criamos essas referências e podemos perfeitamente questioná-las, desconstruí-las e modificá-las.

Uma maneira de educar as crianças sobre a igualdade de gêneros é tentar ajudá-los a entender que não existem ações específicas para cada sexo. É importante explicar que não existe certo ou errado nos seus desejos, atitudes e vontades: eles devem sempre buscar ser felizes e autênticos, sendo quem são.

A preocupação que as famílias têm com filhos e com filhas é diferente e também se relaciona às representações sociais de gênero. Com as meninas a preocupação maior é com o despertar da sexualidade, que pode trazer consequências como má fama ou gravidez precoce. Já em relação aos meninos existe o receio do envolvimento com as drogas e com a violência. Estes são alguns dos motivos que levam os pais a educarem filhos e filhas de formas diferentes.

Se você tem filhos de gêneros diferentes, a melhor maneira de começar a educar as crianças em relação a isso é estimulando a igualdade nas rotinas de casa. Os filhos devem ser tratados da mesma maneira, ter as mesmas obrigações e os mesmos direitos dentro de sua própria casa, sem importar se é menino ou menina. Eles vão ter características diferentes, vontades e habilidades diferentes, porém terão as mesmas oportunidades e os mesmos ensinamentos.

 

VOLTAR